tira-olhos

nessas férias voltei pra portugal (!!!). há alguns meses a Camila (Mindu) tinha me convidado pra escrever um texto em parceria para enviarmos ao #18.ART. achei a proposta interessante! escrever junto, simultaneamente, permite diálogos muito ricos. infelizmente eu tinha férias marcadas para setembro, o que impediria que estivesse presente na apresentação, mas resolvi dar uma chance para o imprevisível, e eis que surgiu um projeto no trabalho que me exigiu alteração de férias. e pude ir.

sobre o #18.ART, escreverei um post específico. fato é que o encontro promoveu outros encontros.

o guilherme maranhão está mudando para Braga, e sabendo da nossa presença, agendou uma das entrevistas sobre fotografia portuguesa em Lix para o momento em que estivéssemos lá.

ele estava empolgadíssimo com o encontro, pois era assíduo leitor do blog da entrevistada. e apesar de eu procurar espaços e pessoas ligadas à fotografia analógica sempre que vou pra portugal, minha dificuldade com o inglês acabou criando esse hiato. não conhecia o blog e nem a autora. mas tive sorte que o guilherme fez essa ponte (a entrevista pode ser vista aqui). daí descobri que o espaço do trio de fotógrafos (sofia silva, autora do blog e entrevistada do guilherme; paula lourenço; e alexandre de magalhães) abriria – por uma feliz coincidência – num final de semana em que eu ainda estaria por lá. notei na agenda e lá fui.

71819991_2436958096575480_6915974623142084608_o

a tira-olhos é uma associação de fotografia experimental. eles três são professores universitários e num dado momento de suas carreiras sentiram falta de ter um espaço com laboratório onde pudessem fazer suas produções em fotografia e que pudessem também oferecer cursos de forma mais livre (fora do contexto acadêmico). em 2018 começaram a saga para achar o lugar e abriram suas portas em 27/10/2019. a sofia conta dessa aventura aqui em seu blog.

conversando com a sofia percebemos que estivemos recentemente em estágios muito semelhantes da procura e montagem do ateliê. de repente conseguir uma pia nos faz pensar que resolvemos um grande problema, e há o momento da paixão pelas torneiras. o sistema de exaustão/ventilação ainda é um item a ser resolvido no meu lab e no dela.

conversamos sobre anthotypes, pigmentos variados, tingimento e outras cores. plantas daqui, plantas de lá. dissertação, minha piração com a biologia. a Sofia contou um pouco da fotografia terapêutica e seu desejo de montar um grupo em lisboa. ela também tem um lado têxtil muito forte em suas produções (eu deixei a minha produção com os teares, máquinas de costuras, linhas e agulhas, guardado em algum cantinho, e vez ou outra esses fazeres reaparecem). na entrevista ela chega a comentar que o bordado é algo mais constante em sua vida que a fotografia. a escrita e o bordado. ela também borda sobre fotografias.

com a paula e o alexandre conversei sobre ambrótipos, ferrótipos, daguerreótipos. falamos sobre como produzir placas de prata, do dia em que ‘o rené smets olhou pra mim’, e de outras químicas. o legal desses encontros é que sempre rolam umas trocas. a paula me perguntou sobre como fiz a colorização de alguns ferrótipos/ambrótipos e ela me deu uma dica de uma cera para metais (e me passou inclusive endereço de onde encontrar em lisboa) que ela utiliza no lugar do verniz. enquanto falávamos, o guilherme brincou que “ao dizermos ‘fiz um becquerel’ damos ao outro muitas pistas sobre o que andamos fazendo no nosso último ano”. a reflexão dele sobre essa conversa, está publicada aqui.

foi uma tarde muito agradável.

coisas como essas me fazem pensar sobre tudo o que não acesso por não ter facilidade com o inglês… algo a ser refletido… e revertido.

📷 Sofia Silva|Laura Nadar. mais uma pra minha coleção de ‘piscos’ 😌

o trio de artistas oferece cursos de fotografia experimental com práticas no laboratório bonito que eles montaram no andar de baixo do ateliê. para quem está na cidade e deseja aprender sobre fotografia analógica, recomendo vivamente.

agradeço ao guilherme pelo encontro. foi muito bom! é um lugar para onde quero voltar outras vezes e pessoas com as quais sinto vontade de continuar as trocas e os diálogos.

a tira-olhos fica na rua jacinto nunes, 8b, em lisboa.

aqui é possível ver a agenda de cursos programados.

💙

p.s.: tira-olhos (segundo googlei) é uma espécie de libélula. 🙂

2 Comments

  1. Eu lembro de ser perguntando pelos alunos do curso técnico na Anhembi Morumbi anos atrás sobre o que era mais importante para aprender a fotografia e responder de bate pronto que era o inglês. Acho mesmo que foi o que mais me ajudou a aprender de tudo um pouco, porque vai além de USA e UK e o blog da Sofia, o canal de youtube sobre colódio do Shit Photography e a história da fotografia pinhole do Jon Grepstad são os primeiros exemplos que me vêm à mente.

    Hoje, na Europa, me dou conta que vacilei ao não investir no meu francês. Na escola a gente podia escolher, mas o fato é que na vida não se deve escolher entre os dois, deveria ter aprendido os dois. Avec beaucoup intensitè.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s